terça-feira, 16 de dezembro de 2008

♥ Trecho da crônica Renascer


A vida ensina que a felicidade jorra da intimidade. Não há outra fonte. Pode haver prazer na apropriação, alegria no encontro, júbilo numa boa surpresa. Porém, felicidade, como profundo deleite do espírito, só na intimidade amorosa, na oração sem imagens e palavras, na contemplação do belo, no acolhimento do ser querido, na entrega ao mistério, na eternização subjetiva de um momento, na poesia de um toque, um gesto, uma palavra que traz em si plenitude. Ausência de desejos; tão só deixar-se sorver pelo esplendor de uma paz que ora vem como brisa suave, ora sopra como vento forte e assustador.

(Frei Betto)

Um comentário:

Fábio José Barbosa da Silva disse...

Bem, primeiramente, queria elogiar a postagem desse POEMA do Frei Betto, um dos mais belos textos que li nos últimos anos. Ele é bem minha cara. Não porque pareça comigo, mas porque sempre consigo achar nele algo novo e encantador a cada leitura e renovante assim como me vejo. Uma metamorfose ambulante. Em segundo lugar, acho que talvez ele ficasse melhor no estilo de poesia, com estrofes curtas, mas o blog é seu minha amiga gatona!!!!
Bjs!!!!